quinta-feira, 20 de novembro de 2008

O grupo de dança

Sou uma completa louca apaixonada pela cultura italiana e no ano de 2000 fui assistir a um evento no museu do imigrante. Diversos grupos de danças folclóricas se apresentaram, porém o Nostra Itália entrou no coração. Após conversar com uma das integrantes, fui visita-los em um dia de ensaio, pronto, foi o que precisou pra que meu amor por essa familia tomasse conta de mim. Após cumprir a carga de ensaios e os testes necessários, fui aprovada e passei a ser uma integrante também.

Dentro do grupo aprendi amar ainda mais a Itália e amar aquele grupo de pessoas que todos os domingos se reuniam para ensaiar. Participei dos primeiros anos do Nostra Itália, e com minha ida à Itália fiquei 3 anos afastada, mas amigos verdadeiros permanecem sempre, e mesmo após ter discutido com alguns integrantes, eles me deram o voto de confiança: Retornar a essa familia. Agradeço a Deus por ter como amigo cada uma daquelas pessoas, sou feliz por te-los sempre ao meu lado. Minha vida esta tomando outro rumo, mas tenho certeza que a nossa amizade será pra sempre, cresci ao lado deles, ri ao lado deles, discuti ao lado deles e chorei ao lado deles. A minha vida não teria a mesma alegria se não fosse voces: Andy, Do, Ale, Carla, Karina, Marel, Romu,Isabela, pho, Finho, Renata, Ligia, Karina, Jacque, Primo, Junior, Vanessa, Danilo, Ivhy, Lud, Cris, Daniel, Edu, Jef, Nimia, Cenoura, Diego e Luciana.

Obrigada a todos vocês por terem feito e ainda fazerem parte da minha vida


Forza Nostra Italia

video

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Ai que Paciência!!!!

Faculdade. Uffa! To cansada, mas não é cansada de estudar, to cansada de esperar a boa vontade de alguns professores pra tirar dúvidas sobre trabalhos. Perturbei tanto uma professora pra que ela explicasse sobre uns relatórios de atividades complementares e ela vivia dizendo que deixaria uma aula para falar sobre isso, o problema é que essa aula nunca chegava e somente eu era a chata que cobrava isso. Menos mal que semana passada o pessoal da sala se preocupou quando disse que os relatórios deveriam ser entregues em forma de trabalho e no final da aula a professora resolveu falar.

Para o desespero da sala, a professora disse que os relatórios deverão ser entregue no fim do mês. Menos mal que tinhamos tempo, ? semana que vem não temos aula por conta do feriado e eu passei o domingo fazendo essa maravilha de trabalho. Ninguém merece!!!!

Tenho tanta coisa pra fazer que nem sei por onde começar. Aff, deixa eu começar a me mover, caso contrário, acabo não fazendo nada.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Brotas e o turismo de aventura


Esse fim de semana foi maravilho. Pra quem não sabe, sou estudante de turismo e na nossa grade curricular da universidade esta incluido o curso de guia de turismo nacional e internacional (o que eu gostaria de trabalhar). Esse fim de semana fizemos a nossa viagem de treinamento, e o destino escolhido foi a cidade de Brotas.

A cidade de Brotas esta localizada a 235 quilometros da capital , possui 22.300 habitantes, ou seja, é um ovo. A cidade ficou conhecida por ser a terra onde nasceu o cantor Daniel (da antiga dupla João Paulo e Daniel), o forte da cidade é o turismo de aventura: Raffiting, tirolesa, boia cross, arborismo, trilhas, rapel e outros esportes radicais demais pra mim.

Saimos de São Paulo muito cedo e fomo direto ao sítio Tavolaro, onde praticamos tirolesa. Gente, isso é bom demais. Lógico que o medo bateu, imagine você esta pendurado em cabo de aço e ser jogado na água. mas vale a pena. O sítio oferecia várias atividades e até mesmo um restaurante com comida tipica da fazenda. Nem preciso dizer que almoçamos ali, né? Ai que delicia.

Saimos dali e fomos encontrar os monitores responsaveis pelo rafting (prática de descida em corredeiras em equipe utilizando botes infláveis). Chegando no local, ou seja, no rio, tivemos algumas lições de segurança, afogamento e como praticar o rafiting sem correr perigo, logo depois assinamos um termo de responsabilidade e de seguro de vida caso houvesse acidentes ou morte (aff..confesso que quando li isso quase desisti...hehe) e entramos nos botes. No inicio foi tranquilo, mesmo porque ali era treinamento dos comando de remo: frente, ré, segurar no bote, e sentar dentro do bote. Quando veio a primeira queda....mamma mia, que medaaaaaaa!!! Gente, esse esporte é tudo de bom. Depois veios as mais diversas quedas e correntezas. Até que veio uma absurdamente alta que quando o bote desceu caiu em cima de uma pedra, justo embaixo de onde eu estava sentada. Que dor, bati com tudo a costas, to com roxo gicante perto do bumbum por culpa dessa queda. Minha professora foi parar fora do bote e caiu em cima da pedra também, graças a Deus foi so arranhou, não quebrou nada.

Quando o rio ficou mais calmo, começamos a conversar e não percebemos que o bote estava saindo da rota, foi parar debaixo de uma arvore. Batemos em todos os galhos (o perigo ali no rio é com relação aos galhos, se não ficar esperta leva galho na cara). Quando o bote voltou ao rumo correto, me desesperei, o bote estava cheio de aranha, deveria ter umas 10 aranhas no bote. Segundo o professor a espécie daquela aranha marrom é venenosa, e isso foi confirmado, porque um colega da minha sala foi picado e passou mal, sua perna ficou bem inchada. Depois de duas horas no rio e já mortos de tanto remar, chegamos em terra. Um suquinho de maracujá muito bom foi servido e pegamos o onibus rumo ao hotel.

Chegando no Hotel, tivemos que ser rapidas no banho, tinhamos uma hora pra estarmos prontas e sair para o optativo noturno, que no nosso caso se tratando de treinamento, o chamamos de obrigativo noturno. O local escolhido pela guia (colega em função) era uma pizzaria. Foi bem legal, pois tinha videoke e assim temos boas risadas. Eu cantei bastante...hehe
Lógico que rolou um barraco básico porque não era somente nossa sala, a turma do 2º modulo da manhã e do 1º modulo noturno também estavam e eles não curtiram a pizzaria. Também pudera, a minha turma tem mais ou menos 50 alunos e eles juntando as duas salas não chegam a 40. Mas o barraco foi resolvido. Depois disso uma parte do povo foi pra balada e eu voltei para o hotel, pois já estava passando da hora do meu sono de beleza :)

No dia seguinte após o cafe de manhã, fomos ao sitio 7 quedas, ali sera praticado arborismo, rapel e tirolesa. Olha gente, nunca mais na minha vida eu pratico essa porcaria de arborismo. Odiei, é alto demais (acima de 50 metros de altura), a mão fica machucada de tanto segurar, e sem contar o medo daquela droga arrebentar. Depois de passar 4 obstaculos, desisti, cortei caminho e parti rumo a tiroleza de 250 m de extensão. Oh coisa boa. O Rapel nem me arrisquei a fazer, esse negocio de descer a cachoeira e ficar pendurado em uma corta não é comigo não. Tô fora. Fui para o ônibus dormir, estava completamente acabada.

Saindo dali fomos direto ao restaurante, comemos maravilhosamente bem. Voltamos ao hotel, tomamos um banho, fizemos o check-out e era a minha vez de ser a guia da função: embarque dos passageiros rumo a São Paulo. Foi tranquilo. No onibus bagunçamos muito, rimos demais. Cheguei em casa, desfiz as malas, tomei um belo banho quente e cama. Aff...estava destruida.

Gente Brotas é bom demais ( a cidade nem tanto) mas os esportes que ela oferece vale muito a pena.

Beijos

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Quem sou eu?????


Bem, vou falar um pouco de mim, resumir o que estava no outro blog. Eu sou a Taty, sou brasileira e durante três anos morei na Itália. Morei em diversas cidades Parma, Arezzo, Milão e depois Parma de novo....hehe. Sempre amei a Itália, desde criança vivia dizendo que quando crescesse iria morar na bota, e assim a fada madrinha realizou o meu desejo. Meu contrato de trabalho terminou e com o dindin que recebi resolvi me aventurar na Europa. A minha idéia era permanecer apenas três meses e depois voltar ao Brasil pra terminar a facu, porém me senti tão bem naquele lugar que resolvi permanecer, porém todos os anos passava o fim de ano aqui no Brasil.
Nesses três anos morando no falso primeiro mundo (porque a Itália não é e esta longe de ser, mesmo assim amo esse país), fiz muitas amizades, algumas foram passageiras e as especiais e verdadeiras ficaram: Uma loira conhecida na porta do consulado italiano de São Paulo, ela tinha planos de morar em Firenze, trocamos e-mail e assim um dia nos encontramos na Toscana, na cidade de Firenze e assim a amizade continuou: Aninha, te adoro amiga, você é especial.
Depois conheci uma gaucha perdida em Milano, nos conhecemos através do Orkut, ela estava desesperada porque trabalho não tinha em Milano e disse pra vir morar na Toscana, ela foi a Firenze e nunca conseguimos nos encontrar. Quando morei em Parma marcamos de nos conhecer, mas o trem atrasou demais e eu tive que trabalhar. Fomos nos conhecer pessoalmente quando ela foi morar em Londres, o nosso abraço foi na porta do albergue: Guriaaaaa, você é doidinha, te gosto muito.
A terceira amiga especial, conheci quando ela deixou uma mensagem no meu flog, trocamos e-mail, depois ela entrou no Orkut. Às vezes nos falamos por telefone, mas nunca tivemos a oportunidade de nos encontrar. Ano passado fui a Roma com minha mãe e adivinhem só quem me hospedou??? Flávia amore, você e o Alessio são pessoas especiais, não tenho palavras pra dizer o quanto sou grata a tua amizade.
Também conheci a Kamila, uma veterinária que entende tudo de moda, louquinha louquinha louquinha, com a Ka não tem tempo feio, trabalha dia e noite e ainda arruma tempo pra se diverti: Ka, gosto muito de você e te admiro muito, você é muito batalhadora.
Lógico que não podia deixar de citar uma família muuuuuuuito especial: Ana, Maurizio, Rafa, Victor, eu não tenho palavras pra dizer o quanto vocês são importantes, nunca vou esquecer o que vocês fizeram por mim, adoro vocês.
Nesses três anos de Itália fiz de tudo, trabalhei como baby sitter (aff...mai più, tutti bimbi viziati), trabalhei em fabrica de perfume, de cenoura, de salame e de molho de tomate...hehe. As pessoas diziam que eu era bonita demais pra trabalhar em fabrica, que eu merecia coisa melhor, o que as pessoas não entendiam é que eu gostava. Nunca me diverti tanto como era na fabrica de molho de tomate, além de pagarem super bem, era um trabalho honesto, ali eu aprendi a crescer, aprendi a ter responsabilidade e me orgulho de dizer que trabalhei ali, e foi graças a esse trabalho que tive dinheiro para poder conhecer a Itália e outros países da Europa. O que meus olhos viram, ninguém me tira, são recordações que levarei pra toda minha vida, uma experiência única.
A fabrica de tomate também me deu um namorado, ficamos juntos durante dois anos. Foram dois anos maravilhosos, até que um dia resolvi voltar. Iríamos mudar de cidade e para que isso fosse necessário eu deveria sacrificar minha ida ao Brasil, mas eu não poderia fazer isso, estava preocupado com minha família etc, etc e etc. Decidi voltar, achei que o melhor era ficar próximo da minha família (sem dúvida é o correto), mas pra isso eu deveria sacrificar alguém, sacrifiquei a mim mesma. Deixei pra trás o homem que amava, achei que fosse esquecê-lo, mas isso não aconteceu, se passaram um ano e ele esta sempre aqui, no meu coração. A história tomou outro rumo e isso eu conto depois.
Enfim, voltei ao Brasil, voltei ao grupo de dança que tanto amo, voltei a faculdade, aos amigos a família, as minhas vidas (duas poodles), mas sempre ficou um vazio que ninguém conseguiu preencher e sem contar a saudade de acordar e ouvir: “Buon giorno signorina”. Eu amo o Brasil, amo minha terra, mas a Itália tem algo que eu não sei explicar, eu amo e odeio aquele lugar, tantas vezes desejei fugir dali como tantas vezes desejei permanecer ali. A Itália pra mim seria perfeita se nela estivesse três pessoas: minha mãe, meu pai e minha irmã, acompanhada de duas buneka (é assim que chamo minhas cachorras): Tabata e Rebeca.

É isso, essa sou eu.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Criando um blog


Oi pessoal, resolvi criar um novo blog, apaguei o antigo e nem sei porque motivo o fiz. Sei que muitos não tiveram acesso ao outro blog, também nem sei porque não o divulguei, talvez por ter ficado um tempo sem escrever e depois bateu aquela preguiça de colocar em ordem....enfim, fica mais fácil criar um novo.

Batizei o blog de "Vivendo e escrevendo" porque é assim que vivo, tudo o que acontece na minha vida tenho mania de escrever: na agenda, no orkut, no e-mail e até mesmo em um simples guardanapo. Escrever pra mim é um terapia, um verdadeiro passa tempo. Espero que vocês gostem.


Beijos a todos

Buona notte!!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...